É proibido comer carne na Sexta-Feira Santa, ou é opcional?
O Cristo crucificado, por Diego Velázquez

É proibido comer carne na Sexta-Feira Santa, ou é opcional?

Muitos católicos, mesmo os fervorosos e praticantes, acabam tendo a mesma dúvida todos os anos: é proibido comer carne na Sexta-Feira Santa, ou é opcional?

Antes de conhecer a resposta a essa pergunta é necessário saber que a Quaresma é um período penitencial (ver mais aqui), o qual se inicia na Quarta-Feira de Cinzas e chega ao seu ápice na Sexta-Feira Santa da Paixão do Senhor. Mas qual o motivo desse período penitencial?

Depois do pecado de Adão e Eva as portas do Céu foram fechadas para toda a humanidade. Começou, então, uma longa peregrinação nesta terra de exílio. Mas Deus não nos abandonou, ao contrário nos prometeu um Salvador, que nos resgataria de nossos pecados e abriria para nós as portas do Céu.

Ao longo dos tempos Deus foi renovando sua promessa através de homens especialmente escolhidos para seu serviço: os Patriarcas e os Profetas. Contudo, o cumprimento dessa promessa se daria de modo muito diferente do esperado. Todos imaginavam um Messias cheio de poder e glória humanas… Mas não era esse o plano divino.

Com efeito, Jesus veio para oferecer o único sacrifício digno do Pai: a crudelíssima morte na Cruz. Como calcular os tormentos, as dores, as aflições de Cristo ao longo de sua dolorosa Via Crucis? Só para pensar na cena do Horto, o Homem Deus transpirando sangue ao prever seus sofrimentos. O que dizer então da Flagelação, que O desfigurou da cabeça aos pés? Como se não bastasse, foi obrigado a carregar a própria Cruz até o lugar de seu martírio, para lá ser pregado. E tudo isso por amor a nós, para nos resgatar e introduzir em sua própria vida divina, tornar-nos participantes de sua glória e herdeiros do Céu.

Depois de pagar um preço tão alto, não merecia nosso Redentor um gesto de gratidão e de amor? É exatamente por isso que a Igreja introduziu o costume do jejum e da abstinência – como símbolos materiais – no dia sagrado em que celebra a Paixão de nosso Deus, e nos exorta a reconhecermos nossos pecados e a mudarmos de vida.

Agora sim cabe a pergunta que deixamos em aberto no início do artigo: é obrigatório ou é opcional fazer o jejum e a abstinência na Sexta-Feira Santa? Depois de considerarmos, ainda que brevemente, o enorme sofrimento que Jesus aceitou padecer por cada um de nós, essa pergunta quase perde o sentido, tão pequeno é o oferecimento que fazemos em comparação com o que Ele fez.

Porém, a Igreja é Mãe. Não é a quantidade de nosso sacrifício que Ela exige, mas sim nossa conversão, um verdadeira renovação espiritual, uma vida nova de acordo com a Fé. Por isso, Ela permite que essa penitência seja substituída, pelo próprio fiel, por alguma prática piedosa ou um gesto de caridade. Então, o jejum e a abstinência são obrigatórios sim, mas em caso de necessidade o fiel pode substituí-lo. O mais importante é essa determinação de converter o coração e abandonar o pecado.

Convém salientar que a prática da abstinência só obriga os maiores de 14 anos, e a do jejum os maiores de 18 anos e que não tenham completado 60 anos.

Mas, alguém poderia perguntar, e se por descuido ou por esquecimento eu comer carne na Sexta-Feira Santa, o que devo fazer? A resposta pode ser deduzida da explicação dada acima. A pessoa que se encontrar nessa situação pode oferecer algum outro sacrifício, abstendo-se de algum alimento que tenha especial apreço, ou fazendo uma oração, ou simplesmente um ato de caridade. Mas o que não deve ser esquecido, durante toda a Quaresma, é o espírito contrito e humilhado que deve acompanhar cada fiel rumo à santidade a que está destinado todo batizado.

Deixe seu Comentário