Papa pede fim de genocídio contra cristãos no Oriente Médio e outras regiões
Papa Francisco celebra missa em Guayaquil, EquadorAgência Lusa/EPA/Leonardo Munoz

Papa pede fim de genocídio contra cristãos no Oriente Médio e outras regiões

O papa Francisco pediu, nessa quinta-feira (9), durante visita à Bolívia, o fim do genocídio contra os cristãos no Oriente Médio e em outros lugares.

“Hoje, vemos com horror como, no Oriente Médio e outros lugares no mundo, muitos dos nossos irmãos e irmãs cristãos são perseguidos, torturados e mortos devido à fé em Jesus”, disse.

“Nesta terceira guerra mundial, que estamos vivendo, travada em fragmentos, uma espécie de genocídio está ocorrendo e deve acabar”, acrescentou.

Em setembro do ano passado, o papa lamentou a onda de conflitos, afirmando que se tratava, efetivamente, de uma terceira guerra mundial “fragmentada”.

As declarações dessa quinta-feira foram feitas depois de Francisco ter, também na cidade de Santa Cruz, na Bolívia, pedido desculpa pelos crimes cometidos pela Igreja Católica contra os povos indígenas durante a colonização das Américas.

O primeiro papa latino-americano pediu “humildemente perdão”, durante um encontro onde estavam grupos indígenas e outros ativistas.

“Digo-vos isso com arrependimento. Muitos pecados graves foram cometidos contra os povos nativos da América em nome de Deus”, afirmou.

Papa chega ao Paraguai em sua última escala na América do Sul

O papa Francisco chegou na tarde de hoje (10) ao Paraguai, onde foi recebido no Aeroporto Internacional Silvio Pettiross pelo presidente Horácio Cartes. O Paraguai é última etapa da viagem de oito dias do pontífice à América Latina.

Ao sobrevoar o espaço aéreo argentino, com destino ao Paraguai, Francisco enviou dois telegramas: um ao presidente Evo Morales, a quem agradeceu, assim como ao povo boliviano, por ter “compartilhado dias cheios de graças e bênçãos”, e outro, à presidenta argentina, Cristina Kirchner.

“Ao sobrevoar a amada pátria argentina para começar a minha visita pastoral ao Paraguai, de bom grado envio uma cordial saudação a Sua Excelência, expressando minha proximidade e afeto a esta querida nação, para a qual peço ao Senhor copiosas graças que a permitam progredir nos valores humanos e espirituais, aumentando o compromisso pela justiça e pela paz”, diz a mensagem enviada à chefe do governo da Argentina.

Na Bolívia, Francisco visitou, na manhã desta sexta-feira, o Centro de Reabilitação de Palmasola, em Santa Cruz de la Sierra. Dirigindo-se aos presos, o pontífice afirmou que “reclusão não é o mesmo que exclusão, porque a reclusão faz parte de um processo de reinserção na sociedade”.

“Há muitos elementos que jogam contra este lugar: a superlotação, a morosidade da justiça, a falta de terapias ocupacionais e de políticas de reabilitação, a violência. Tudo isso torna necessária uma pronta e eficaz aliança interinstitucional para se encontrar respostas. Mas, enquanto se luta por isso, não podemos dar tudo por perdido.”

O papa iniciou a viagem à América do Sul no Equador, onde chegou no domingo (5). Ele encerra sua visita neste domingo (12) na capital paraguaia, Assunção, com um encontro com jovens.

Com informações da Agência Brasil.

Deixe seu Comentário