Santa Joana d’Arc, padroeira da França

Neste dia 30 de maio celebramos Santa Joana d’Arc, a santa padroeira da França e foi uma chefe militar da Guerra dos Cem Anos, durante a qual tomou partido pelos armagnacs, na longa luta contra os borguinhões e seus aliados ingleses. Foi executada pelos borguinhões em 1431. Camponesa, modesta e analfabeta, foi uma mártir francesa e também heroína de seu povo, canonizada em 1920, quase cinco séculos depois de ter sido queimada viva em um auto de fé.

A Igreja Católica francesa propôs ao Papa Pio X a sua beatificação, que se realizou em 1909, num período dominado pela exaltação do nacionalismo e pelo repúdio ao não nacional, principalmente ao que provinha de Inglaterra ou da Alemanha. O gesto do Papa teve como propósito político fazer a Igreja de França, entrar em sintonia política com os dirigentes anticlericais da III República, e só com a Primeira Guerra Mundial de 1914 a 1918, Joana deixa de ser uma heroína exclusiva da direita. Segundo Irène Kuhn, a partir desse período os “postais patrióticos” mostram Jeanne à cabeça dos exércitos e monumentos seus aparecem como cogumelos por toda a França. O Parlamento francês estabelece uma festa nacional em sua honra no 2º domingo de maio.

Em 9 de maio de 1920, cerca de 500 anos depois de sua morte, Joana d’Arc foi definitivamente reabilitada, sendo canonizada pelo Papa Bento XV, como Santa Joana d’Arc. A canonização traduzia o desejo da Santa Sé de estebelecer laços com a França republicana, laica e nacionalista. Em 1922 foi declarada padroeira de França.

Gravura de 1505

Gravura de 1505

Deixe seu Comentário